Clique Cristão

PADRE, SERÁ QUE EU TENHO VOCAÇÃO?

06 / nov / 2011

“O senhor gosta da profissão de padre?” Ouvi diversas vezes essa pergunta vinda de muitos dos meus alunos e alunas. Sempre senti que por trás da pergunta uma outra dúvida talvez maior: afinal, existe a profissão de padre? Ela é igual às outras? Se não é, o que a faz diferente? Isso mexe com outros assuntos mais profundos.

Aqui vale em primeiro lugar uma distinção clara entre VOCAÇÃO e PROFISSÃO. Na verdade a segunda deve ser sempre precedida da primeira. Imagine você um médico muito profissional e não vocacionado para a medicina. Um desastre, certamente! Ou ainda qualquer outro profissional, um ator, por exemplo, sem a vocação para aquele campo. Impensável, não?

Agora imagine isso quando se trata de um padre. É diferente? Claro que sim. E por quê? A diferença é que todo padre deve deixar de lado o fato de ser um “profissional do altar” e abraçar a missão como um chamado um dia a ele feito. Daí que não se fala sobre a “profissão de padre” mas sobre a “vocação de padre”.

Para entender melhor, vamos fazer aqui algumas comparações importantes: na profissão, você escolhe qual delas você quer seguir; na vocação, você é escolhido e chamado para aquela missão. Na profissão, você facilmente muda de rumo quando aquele trabalho não lhe está sendo satisfatório, inclusive do ponto de vista econômico; na vocação se fala de uma “opção de vida”, e se eu opto por isso, sou chamado a levar até o fim o ideal que abracei.

Padre que encara a vocação como profissão esbarra sempre no vazio e na perda de sentido para a sua vida. Isto porque seguimos uma Pessoa, um Homem com uma proposta muito exigente que tem como conseqüência última a cruz que nos vem nas mais diversas formas de nossa vida sacerdotal.

Que bom que ainda hoje existem jovens que se perguntam sobre a sua vocação em primeiro lugar para depois se questionarem sobre qual profissão querem seguir. Dou aulas hoje em dois seminários e vejo naqueles jovens uma coisa bonita: a alegria pela opção que fizeram. Porém, todos eles, antes de entrarem para o seminário, se perguntaram sobre sua vocação e descobriram a beleza dos três modos de chamados que são feitos a cada pessoa: viram que foram inicialmente chamados à VIDA, ou seja, a vocação HUMANA. Foram chamados em primeiro lugar a ser GENTE no mundo. Um profissional que sabe disso, exercerá, sem dúvidas, a sua profissão com muito mais qualidade.

O segundo chamado que nos foi feito um dia é para sermos CRISTÃOS. Essa vocação vem do novo nascimento através do BATISMO. Vivendo bem o batismo que nos faz filhos de Deus, imortais e pertencentes a uma comunidade de fé, a profissão terá muito mais sentido.

E, por fim, o chamado à VOCAÇÃO CRISTÃ ESPECÍFICA, ou seja, cada um com o dom de Deus exercendo suas habilidades onde Deus o quer, é chamado a SERVIR. Por isso hoje se fala tanto de uma coisa chamada alteridade (alter, no latim = outro), ou seja, para um bom cristão a felicidade do outro importa, assim como a sua infelicidade deve incomodar também a mim. Profissão que vai por aí se torna vocação por excelência.

Todo cristão tem essa tríplice dimensão do ser chamado. Você, que é jovem, especialmente aqueles que estão em fim de curso de ensino médio às portas de uma universidade, deve andar se perguntando sobre qual vocação você tem. Penso que vale a pena se perguntar sobre essas três situações: Deus me chamou para ser gente, para ser cristão e para servir. Aí está o grande sentido de viver aqui. Viver assim é bem melhor e a gente poder ser muito mais feliz. Que tal pensar nisso?

Mês que vem a gente se encontra pra trocar mais idéias. Aguardo sua opinião, comentário e até crítica sobre o que conversamos.

Um xero. Deus abençoe a todos.

 

Pe. Edson Rodrigues

Deixe seu recado

  • Luiz 14 de fevereiro de 2012

    Pe. Edson…Bom dia,na paz do Senhor e no Amor de Maria…

    Li seu artigo sobre vocação…mto bacana…penso mto sobre isso tudo e lhe agradeço por postar tal assunto que tanto mexe com aqueles que se questionam sobre sua vocação,ou, mesmo sua pseudo-vocação, que sem dúvida é sublimada pelo que chamamos profissão,ofício,”ganha-pão”,rs…
    Tenho profunda dúvida…sou mto religioso…me sinto bem com as coisas da Igreja…associo a ela “n” problemas que a torna tão mal compreendida e vivida…mas,ainda assim,a sirvo com aquilo que tenho de mais precioso pra mim,a minha “arte”…a descobri na Igreja,e,a esta retribuo…Mas,siceramente fico perdidamente confuso…
    Enfim,quero apenas cumprimentá-lo e a ti desejar mta força e luz na sua caminhada…é o que busco para a minha…pena não conhecê-la com mais propriedade…mas força e luz, em nosso soberano Deus, é sempre um prenúcio para uma fé sempre renovada…

    Um abraço

Deixe seu recado:

*